domingo, 30 de dezembro de 2012

1º CIRCUITO DE FOLIAS DE REIS DO DISTRITO FEDERAL 

        Com o objetivo de promover a cultura tradicional das Folias de Reis e a diversidade de expressões artísticas associadas a ela, será realizada, entre os dias 26 de dezembro de 2012 e 06 de janeiro de 2013, o 1º Circuito de Folia de Reis do Distrito Federal. Nesta primeira edição serão nove as cidades que receberão o evento, todas com algum tipo de relação com essa manifestação, seja pelo sua área rural ou por abrigar em sua região, um grupo de Foliões.

A FOLIA DE REIS 
Baseada em festejo de origem portuguesa, ligada às comemorações do culto natalino, a Folia chegou ao Brasil junto com a Corte. A manifestação cultural apresenta um caráter profano-religioso, com cânticos, danças e figuras arquetípicas das tradições religiosas e populares, incorporando aspectos culturais locais.
As Folias de Reis ocorrem em toda a região central e sul do país e são guardiãs de saberes muito antigos, transmitidos de geração a geração pelos guias e embaixadores aos foliões mais novos. No DF, as Folias existem desde muito antes da construção de Brasília. Algumas cidades como Planaltina, Brazlândia, Gama, São Sebastião, mantém até hoje essa tradição. Todo ano, no período das festas natalinas, as Folias percorrem as casas dos moradores. Em retribuição, aqueles que recebem a visita das Folias ofertam alimentos e outros bens que são utilizados para a realização da festa de Reis, de preferência no dia 6 de janeiro. Por conta desta tradição a secretaria de cultura estará propiciando esse "giro" das Folias  pelo Distrito Federal.
PROGRAMAÇÃO

LOCAL
DATA
HORÁRIO
FOLIA
ARTISTA
1
São Sebastião - Biblioteca do Bosque
26/12/2012
20h
Saudade do Interior
Zé Mulato & Cassiano, Chico de Assis & João Santana e Marcos Mesquita
2
Guará  - Paróquia do Divino Espirito Santo
EQ 32/34 Guará II
27/12/2012
20h
Irmãos Vieira
Vanderley & Valtecy, Chico de Assis & João Santana e Dyego & Gustavo
3
Brazlândia - prç. da ADM.
28/12/2012
20h
Brazlândia
Ênio Lima & Gustavo Neto e Mozar Feliciano
4
Gama - Setor leste  em frente a paróquia São Sebastião
29/12/2012
20h
Minas Brasília
Macedo e Mariano e Ênio Lima & Gustavo Neto
5
Samambaia - Q. 302 em frente a igreja Santa Luzia - Barca
2/1/2013
20h
Irmãos Vieira
Vanderley & Valtecy e Dyego & Gustavo
6
Sobradinho II Em frente ao rest. comunitário
3/1/2013
20h
Minas Brasília
Macedo & Mariano e Volmi Batista
7
Riacho Fundo II - CAUB -I
4/1/2013
20h
João Timóteo
Kleuton & Karen e Roberto Correa
8
Candangolândia - Praç. dos Estados
5/1/2013
20h
Brazlândia
Kleuton & Karen e Volmi Batista
9
Planaltina - Prç da Matriz - Igrejinha
6/1/2013
20h
Unidos na Fé
Zé Mulato & Cassiano e Roberto Correa
                                    

Feliz Ano Novo!


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Lançamento da plataforma Freenet


A plataforma do freenet?, projeto conjunto do Nupef, Idec, CTS/FGV e Intervozes, será lançada neste sábado no Rio de Janeiro. A plataforma será a base para o processo de colaboração para construção do vídeo, que trata da questão da violação de direitos e da defesa da liberdade na Internet. 
O lançamento vai ser casado com a comemoração dos 10 anos do Creative Commons.

Apresentação dos filmetes e de algumas falas rápidas para apresentar o projeto e uma boa festinha!

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

XII ENCONTRO DE FOLIA DE REIS DO DISTRITO FEDERAL PROGRAMAÇÃO

XII ENCONTRO DE FOLIA DE REIS DO DISTRITO FEDERAL

06/12 - QUINTA-FEIRA Refeitório
19 às 20hJantar dos foliões
Palco
20h30 Folia de Reis João Timóteo(Ceilândia/DF) e encontro de bandeiras
21h Abertura Oficial com a presença de autoridades políticas e eclesiásticas e sorteio da cidade sede do próximo Encontro
21h Shows de abertura: - ÊNIO LIMA e GUSTAVO NETO -  ROBERTO CORREA - ALCEU VALENÇA

07/12 - SEXTA-FEIRA
Casas de Ceilândia
09hVisita das Folias aos moradores inscritos no Concurso de Presépios
Refeitório
12h às 14h Almoço dos foliões
Palco
12 às 14h Shows FOLIÕES e CONVIDADOS - VOLMI BATISTA –VALDENOR e ISMAEL PEREIRA - GALVAN e GALVÃOZINHO
Casas de Ceilândia
14h Visita das Folias aos moradores inscritos no Concurso de Presépios
Refeitório
18 às 20h Jantar dos foliões
Palco
19h Representação da Chegada dos Três Reis Magos e Encontro das Bandeiras
19h30 Apresentações das Folias de Reis e danças populares
21h Bendito de Mesa (Canto de agradecimento)
21h30Shows DAYANE REYS - CHICO DE ASSIS e ISMAEL PEREIRA –
PEREIRA DA VIOLA - GALVAN e GALVÃOZINHO - ANDRÉ e ANDRADE

08/12 - SÁBADO
Refeitório
08h Café da manhã dos foliões
Espaços de atividades
09 às 12h Oficinas e troca de saberes
Refeitório
12 às 14h Almoço dos foliões
Palco
12 às 14h Shows FOLIÕES E CONVIDADOS - DAYANE REYS - KLEUTON E KAREN –MACEDO E MARIANO - PEREIRA DA VIOLA
14h Bendito de Mesa (Canto de agradecimento)
Espaços de atividades
14h30 às18h Oficinas e troca de saberes
Refeitório
18h Jantar dos foliões
Palco
18h30 Apresentações das Folias de Reis e danças populares
21h Bendito de Mesa (Canto de agradecimento)
21h30 Shows VOLMI BATISTA  - VANDERLEY e VALTECY - DYEGO e GUSTAVO –
ZÉ MULATO e CASSIANO - ELIANE DI PAULA e ALCIMAR

09/12 - DOMINGO
Refeitório
07h Café da manhã dos foliões
Palco
08h Assembleia da AFOREIS
10h30 Resultado do concurso de presépios
11h Missa Sertaneja com Padre Adão Soares
Refeitório
12 às 14h Almoço dos foliões
Palco
12 às 14h ShowsFOLIÕES e CONVIDADOS - ÊNIO LIMA e GUSTAVO
NETO - JOÃO SANTANA e VALDENOR - PAULO CRUZ e
ZÉ EDUARDO - ZÉ MULATO e CASSIANO
14h Bendito de Mesa (Canto de agradecimento)
14h30 Despedida das Folias de Reis e danças populares
16h Shows de Encerramento Fábio Miranda em “Caravana Solidão” – MACEDO E MARIANO - VANDERLEY e VALTECY - DYEGO e GUSTAVO – KLEUTON E KAREN  - Projeto BICHO D’ÁGUA em “Cantando as Águas do Chico”(Mamulengo Fuzuê e Grupo Paraibola)

Oficinas:Danças do Lundu, Catira e Curraleira (membros da Folia de Reis Tradicional – Formosa/GO); Mamulengos (Chico Simões – Taguatinga/DF); Presépios (Nanira – Planaltina/DF); Elaboração e Gestão de Projetos Culturais (Marcelo Manzatti – Brasília/DF); Viola Caipira (Fábio Miranda – Brasília/DF)

Atrações diárias e permanentes
Barracas de comidas típicas e artesanato
Cantorias, rezas e terços a cargo dos foliões
Exposições de Instrumentos Musicais das Folias de Reis e Presépios;

Local: Casa do Cantador – QNN 32 - Área Especial G - Ceilândia Sul – Ceilândia/DF
Informações pelos telefones: (61) 3301-5888 / (61) 3301-1267 / (61) 9964-7945 (Volmi Batista – coordenador)/ (61) 9325-8037 (Marcelo Manzatti - produção)
encontrodefoliadereisdodf@gmail.com
www.encontrodefoliadereis.com.br

terça-feira, 20 de novembro de 2012

VIII FESTIVAL BRASÍLIA DE CULTURA POPULAR e II FESTIVAL BRASILEIRO DE TEATRO DE TERREIRO



TERÇA-FEIRA, 20 DE NOVEMBRO DE 2012

VIII FESTIVAL BRASÍLIA DE CULTURA POPULAR e II FESTIVAL BRASILEIRO DE TEATRO DE TERREIRO


                                                         
PROGRAMAÇÃO

21 E 22 DE NOVEMBRO

Teatro Plínio Marcos
20h  – Troupp Pas D’argent com Holoclownsto (RJ)

23 DE NOVEMBRO

Área Externa
20h - Pé de Cerrado (DF)
21h30 - Maracatu Piaba de Ouro (PE)
22h30 – Espetáculo O Calango Voador e as Figuras Penduradas – Chegada do Calango Voador (DF)
23h30 – Jongo da Serrinha (RJ)

24 DE NOVEMBRO

Teatro Plínio Marcos
18h - Cavalo Marinho Boi Pintado (PE)
20h – Cia. Soma  com Mira (SP)
Área Externa
21h30 – Tambor de Crioula de Mestre Teodoro(DF)
23h30 - Encontro de Frevo de Rua  - Pitombeira dos Quatro Cantos (PE)

25 DE NOVEMBRO

Área Externa
19h – As Caxeiras com Caixa de Mitos – Lendas do Brasil (DF)
Teatro Plínio Marcos
20h -  Seu Estrelo e o Fuá do Terreiro com O Alado, a Tristeza e o Espantoso Rio Que Bebe Nuvens e Mija Mar (DF)

DIA 30 DE NOVEMBRO

Teatro Plínio Marcos
21h30 - Grupo Grial com Castanha  Sua Cor (PE)
Área Externa
21h30 - Karynna Spinelli (PE)
23h – Lucas e Orquestra dos Prazeres (PE)

DIA 01 DE DEZEMBRO

Área Externa
18h – Terno de Moçambique Irmandade Nossa Senhora Do Rosário do Carmo do Cajuru (DF)
19h – Grito de Liberdade (DF)
Teatro Plínio Marcos
20h – Antônio Nóbrega com Lua (SP)
Área Externa
22h – Mestre Zé do Pife e as Juvelinas (DF)
23h – Seu Estrelo e o Fuá do Terreiro – Sambada (DF)
0h  - Velha Guarda da Bateria da Mangueira (RJ)

DIA 02 DE DEZEMBRO

Área Externa
18h – Roda de Mamulengo (DF e RN)
Teatro Plínio Marcos
20h – Antônio Nóbrega com Lua (PE)
Serviço:
VIII Festival Brasília de Cultura Popular
Dias: 20 de novembro a 02 de Dezembro
Local: Complexo Cultural da FUNARTE
Horário: vide programação (www.seuestrelo.art.br)
Entrada com 1kg, para as atrações internas, no Teatro Plínio Marcos, retirada de ingresso com duas horas de antecedência
Classificação Livre

sexta-feira, 9 de novembro de 2012


Ecad será fiscalizado

Marta completa 50 dias no comando do Ministério da Cultura e garante: 'Essa decisão eu já tomei'

09 de novembro de 2012 
Maria Eugênia de Menezes e Ubiratan Brasil - ENVIADOS ESPECIAIS / BRASÍLIA
Um dos pontos mais polêmicos da gestão Ana de Hollanda a Lei do Direito Autoral merecerá tratamento diferente pela sua sucessora. Em sua primeira entrevista como ministra da Cultura, Marta Suplicy deixou clara sua posição divergente sobre o tema e defendeu a fiscalização do Ecad. “No momento em que eles são um monopólio, e eu não estou questionando isso, eles têm que aceitar uma fiscalização. Essa decisão eu já tomei”, disse Marta, que completa 50 dias no cargo e recebeu a reportagem do Estado em seu gabinete.
Marta Suplicy, ministra da Cultura - Wilson Pedrosa/Estadão
Wilson Pedrosa/Estadão
Marta Suplicy, ministra da Cultura

Ana de Hollanda provocou protestos ao retirar do site do MinC a marca Creative Commons e aproximar-se das posições defendidas pelo Ecad. A atual ministra já havia dado indícios de que pretendia mudar de rota ao levar para a sua equipe Marcos Souza, formulador das políticas de direito autoral durante as gestões dos ex-ministros Gilberto Gil e Juca Ferreira. Além de reincorporar Souza, Marta paulatinamente tem feito trocas em sua equipe. Já substituiu Vitor Ortiz como secretário executivo e também mudou o comando do Iphan.
A Lei do Direito Autoral é apenas um dos projetos da pauta que a senadora licenciada herdou. Seu foco nestes primeiros dias como ministra, ela diz, foi justamente “destravar” essa pauta. O Vale Cultura, proposta do ex-presidente Lula que estava engavetada, voltou ontem à Câmara com o apoio de mais de 60 assinaturas. O projeto de revisão da Lei Rouanet, conhecido como ProCultura, também está prestes a entrar em votação no Congresso. “Devo encaminhá-lo na próxima semana”, garante a ministra.
Sem experiência prévia na área cultural, Marta valoriza seu trânsito entre os parlamentares e sua habilidade política. Garante, porém, que não quer apenas levar adiante as propostas já existentes. “Quero deixar uma marca. E essa marca será a da inclusão social.”
Além dos editais para criadores e produtores negros, recentemente lançados, o Minc deverá contemplar outras minorias, como os gays e as mulheres. As Praças do PAC também serão transformadas em 360 CEUs das Artes.
Na entrevista, a ministra da Cultura Marta Suplicy fala sobre as deficiências da Lei Rouanet, da necessidade de mais transparência na ação do Ecad e também sobre sua irredutível decisão de não disputar a eleição de 2014 para o governo de São Paulo.
A senhora herda uma ampla agenda, com projetos que já foram formulados, mas ainda carecem de aprovação e regulamentação. Como pretende destravar a agenda da Cultura?
Marta Suplicy - São dois pontos. Um implica em destravar o que está no Congresso Nacional. Tive muitas reuniões procurando entender a fundo esses projetos e encontrar estratégias. Em relação à Lei Rouanet, tive uma reunião com o deputado Pedro Eugênio (PT-PE). Ele ficou um ano e meio ouvindo a classe artística e me ofereceu um panorama consolidado. Sua habilidade foi criar uma pontuação para atingir os 100% de isenção, e também foi habilidoso com os itens criados. Pedi para deixar dois itens abertos para o ministério usar nos próximos anos. Conversamos sobre várias áreas em que o MinC não poderia deixar de ter autonomia e também de outras áreas nas quais vão ou não despertar um certo estresse, mas que são áreas que não podemos abdicar. Ele fez um enorme esforço para conseguir um consenso. Sou uma ministra que tem como praxe negociar, conversar até chegar ao consenso. Também conseguimos uma avaliação da Receita Federal que considero ideal. Até o fim da semana que vem o projeto vai a votação.
O que mais lhe agradou?
Marta Suplicy - Gostei de ele ter tocado na questão regional. Para se ter uma ideia, da Região Norte foram aprovadas 71 análises de projetos, enquanto na Sudeste foram 5.374. Também na distribuição regional a diferença é grande: a captação na Norte foi 0,66% dos projetos, enquanto na Sudeste, 79,93%. Então, se isso não estivesse no projeto, eu teria sugerido para constar. Tenho percebido nas áreas que me são mais caras, as de inclusão - seja de caráter regional, seja envolvendo negros, gays, mulheres. Nesse ministério, é uma marca que gostaria de deixar: a inclusão social.
O que a senhora pensa da Lei Rouanet que viabilizou a produção cultural mas não foi capaz de criar um mercado cultural suficientemente forte?
Marta Suplicy - Nem teria condição, pois seria necessária uma política de Estado para a criação desse mercado. E ainda não engatinhamos nessa condição. Para isso, é necessário orçamento. Por isso, os ministros da Cultura acabam ficando felizes com a Rouanet e até trabalhando para mais incremento: trazem mais recursos. Enquanto os governos não melhorarem o orçamento para que a Cultura atue com pernas próprias, essas leis sempre terão importância gigantesca no orçamento. Não acho ideal, prefiro um orçamento mais robusto.
O projeto das praças do PAC foi transformado em CEUs.
Marta Suplicy - Mudamos o conceito, que se afunila. A licitação já estava em andamento, então interferência foi no que eu pude fazer. Tinha muita salinha e era algo que intuitivamente me pareceu que não ia funcionar. Em conversa com os diferentes segmentos, vimos que são necessários grandes espaços, para que haja sinergia entre quem faz teatro, quem está compondo música, quem está pintando. Queremos essa conjugação de ideias. Outro desafio é formar os profissionais para trabalhar nesses 360 centros, que estarão nos centros de violência, assim como os CEUs.
A senhora fala dessa fome de cultura. Como fazer para destravar o Vale Cultura?
Marta Suplicy - O Vale vai ajudar as pessoas a terem acesso. Estou pensando também em um mecanismo que permita às pessoas cumularem também. Para poder ter acesso a determinadas coisas, uma ópera, uma peça de montagem mais cara. Será a Bolsa Família da alma. O projeto estava engavetado, porque do jeito que estava teria que ser vetado, o que seria um constrangimento para a presidente. A ideia, portanto, é agregar todos os deputados à emenda e transformá-los em coautores. Aí, cada deputado pode chegar ao seu Estado e dizer: ‘O Vale Cultura fui eu que fiz’. E ele não vai estar errado. Sem a assinatura dele não teríamos força para fazer isso. Deve ser colocado em votação até o fim do ano.
Existe essa fragilidade patente do mercado de Cultura no Brasil. A injeção de recursos pode ajudar a desenvolver o mercado?
Marta Suplicy - Certamente, mas não podemos depender a vida inteira de incentivos fiscais. O ideal seria ter um orçamento maior e subsídios de política de Estado. Mas isso não é o que eu encontrei e tenho que lidar com o que tenho e fazer o melhor possível. Gosto de destravar os projetos, de fazer as coisas caminharem. Mas o que eu gostaria de deixar como marca é a inclusão social. Minha proposta é destravar os projetos.
A Lei do Direito Autoral foi um dos pontos de maior polêmica na gestão Ana de Hollanda, que endureceu as posições sobre o tema propostas durante a gestão Gil/Juca, consideradas excessivamente liberais. Ao trazer de volta para o ministério Marcos Souza, formulador das políticas para o setor durante o período Gil/Juca, a senhora sinaliza uma proximidade maior com essa visão?

Marta Suplicy - Eu virei a página. Mas tenho que ter um arquivo do que aconteceu e o Marcos Souza participou de 82 audiências sobre o assunto. Eu não queria gastar um ano fazendo tudo de novo. Ele veio com a condição de que eu perguntaria a opinião dele quando eu quisesse. Conversei com grupos antagônicos, ouvi todos e tomei posições em relação ao Ecad. O Ecad tem que existir, tem que ser um órgão independente.
Mas é necessário que seja fiscalizado, não?
Marta Suplicy - É muito forte o lado que reclama da falta de transparência. É verdade que eles têm muita dificuldade de fazer a arrecadação em todos os lugares desse Brasil gigantesco. Entendi essas limitações, sei que eles fazem um esforço no sentido da arrecadação, mas esse esforço também tem que ser feito no sentido da transparência. Ainda estou estudando, mas deve haver fiscalização. Em todos os países do mundo essa fiscalização existe. No momento em que eles são um monopólio, e eu não estou questionando isso, eles têm que aceitar uma fiscalização. Essa decisão eu já tomei. Os focos principais desses meus 50 primeiros dias de gestão são ProCultura, Vale Cultura e Lei de Direitos Autorais.
E quanto à internet, a questão dos downloads?
Marta Suplicy - Uma decisão eu já tomei nessa área: ‘notice and take down’. É uma maneira correta, mas que tem dezenas de problemas específicos sobre os quais eu preciso me debruçar. A intenção é passar a questão o mais rápido possível para o Congresso. Tenho que respeitar as decisões que eles tomam, ouvir a opinião deles.
A senhora crê que a grande falha da sua antecessora foi essa inabilidade política?

Marta Suplicy - Não compete a mim falar dela. Não tenho nada a comentar sobre isso. A presidente mudou de ministra. 

Seu nome é sempre lembrado para o governo paulista.

Marta Suplicy - Eu não sou candidata.
Hoje não é candidata?
Marta Suplicy - Não é isso. Eu não sou candidata. Estou no projeto Dilma. Não percorrerei o Estado, não farei nenhuma ação de candidata. Fui bem clara, não?
A Cinemateca Brasileira acenou com o desejo de se transformar em uma Organização Social. Esse foi tema muito debatido nas últimas eleições em São Paulo. O que pensa sobre as OS?

Marta Suplicy - Acho que dinheiro público não pode ser gerido por sociedade civil. Dinheiro público é público e precisa de política de Estado.

Mídias comunitárias se reúnem pela aprovação da Lei Cristiano

Brasília, 09 de novembro – Representantes de veículos de comunicação alternativos do DF reuniram-se na manhã desta sexta-feira, em Taguatinga, para discutir o Projeto de Lei 1152/2012, que reserva no mínimo cinco por cento dos recursos previstos para publicidade do GDF para investimento obrigatório nas mídias comunitárias do DF. O projeto, apelidado de “Lei Cristiano”, está em tramitação na Câmara Legislativa do DF e, caso seja aprovado até dezembro já terá efeitos sobre o Orçamento de 2013.
A reunião aconteceu nas dependências da Associação de Veículos de Comunicação Comunitária do DF e Entorno (Asvecom) e contou com a presença de 30 jornalistas e empresários representantes de diversas mídias do DF, do senador Gim Argello (PTB) e seus correligionários, o deputado distrital Dr. Charles e o autor da proposta, o atual secretário de Desenvolvimento Econômico do DF, deputado Cristiano Araújo.“ Fizemos esse projeto para garantir autonomia financeira e ideológica aos veículos de comunicação comunitária e para evitar que vocês fiquem com o pires na mão, atrás de um ou de outro, para conseguirem tocar seus jornais”, afirmou Cristiano, lembrando que é necessário que eles pressionem a Câmara Legislativa para que a tramitação seja acelerada.
A proposta inicial é que sejam reservados para uso exclusivo no investimento em rádios, jornais, blogs e revistas comunitárias no mínimo cinco por cento do total das verbas publicitárias do GDF. Neste ano, segundo levantamento da Asvecom, o governo gastará R$ 230 milhões com essas despesas. Se o projeto já estivesse aprovado, as mídias comunitárias teriam cerca de R$ 10 milhões disponíveis. “É muito justo que tenhamos uma pequena parte desse investimento para podermos informar à população com dignidade, considerando que nosso produto é distribuído de forma gratuita”, afirmou o presidente da entidade, Edivaldo Brito.
O senador Gim elogiou a proposta de Cristiano e colocou-se à inteira disposição para trabalhar por sua aprovação junto ao GDF. “Precisamos que todos vocês estejam unidos e filiados à Asvecom para que tenhamos a força necessária para conversarmos com o nosso governador Agnelo para que essa proposta passe a valer imediatamente”, argumentou. “É uma projeto justo e maravilhoso”.
Atualmente, não há garantia de verbas para esses veículos de comunicação que levam informação aos leitores dos mais distantes cantos do DF. Embora alguns consigam investimentos do GDF, não há um calendário fixo de pagamentos, o que dificulta o desenvolvimento das atividades desses trabalhadores. “Enfrentamos situações difíceis e somos mal, muitas vezes, esquecidos. Desconsideram a importância do nosso serviço para a comunidade”, afirmou o jornalista José Vieira, do Jornal DF Notícias.
PRÓ-DF – O secretário Cristiano e o senador comprometeram-se ainda em trabalhar para que os veículos de comunicação alternativos também tenham direito a participar do Pró-DF, programa de incentivos a empresas do governo. A intenção é viabilizar que os empresários desse ramo tenham acesso a financiamentos do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) e nos programas que fornecem lotes subsidiados para atividades empresariais. “Procurem a SDE e a Asvecom, façam seus cadastros no programa. Aqueles que estiverem com a documentação em dia não terão dificuldades para receber os incentivos”, afirmou Cristiano.
Conforme Edvaldo, atualmente existem cerca de 200 veículos de comunicação comunitária no DF, incluindo jornais de quadra, blogs, revistas e rádios comunitárias. Cerca de metade deles está associada à Asvecom. “Quanto mais estivermos unidos, mais representatividade teremos”, disse.